Geral

Cinco motivos que explicam a difusão dos discursos de nazistas no Brasil e AQUI

O flerte com o nazismo, ex-secretário de estado da Cultura, Roberto Alvim não é isolados no brasil, e só poderia ser veiculada nos mais altos níveis do governo federal, é devido a cinco fatores principais, apontam que os sociólogos e historiadores têm ouvido AQUI. De acordo com eles, eles falam com a inspiração do nacional-socialismo alemão dos anos 1930, sempre houve – e é improvável que deixam de existir, mas há momentos na história, como a atual, que é a mais difundida e aceita na sociedade.

Um especialista em regimes autoritários e um doutoramento em história, comparada com a Universidade Autónoma de Barcelona, e o italiano por Steven Forte define como de “extrema-direita 2.0” no país do Brasil. “eles Não são, na maioria, compostas de grupos de skinheads, botas de couro, com uma conduta violenta. Esses grupos continuam a existir, mas a nova extrema-direita, tem adotado um discurso mais ‘doce’ da empresa, e se ela deixar de promover os discursos e as práticas que são muito semelhantes às que foram a favor dos nazistas, como as políticas anti-imigração”, ele explica.

Aqui está uma lista de algumas das condições de colocar no lugar para que isto ocorra no país:

A ascensão da extrema-direitaPublicidade

Não há como dissociar a ascensão da extrema-direita ao poder, e no caso do Brasil, o vitória de Jair, bolsonaro, e aliados), para a disseminação e aceitação da sociedade e dos discursos com as referências para totalitário, incluindo os nazistas, dizem os especialistas. “O grupo de extremamente conservador, e de extrema direita agenda, após a vitória do presidente, e ganhar legitimidade,”, avalia Algo como Fornazieri, um cientista político e professor da Fundação Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

Um especialista no regime autoritário, o português, Manuel Loff, diz que, na política, não são as criações de “ground zero”. “na direita não foi arrancada a partir de qualquer lugar, mas você tem um campo de pesquisa no formulário e no nazismos de 20 e 30”, disse um professor da Universidade do Porto.

“Mal-estar numa sociedade democrática.”

A frustração com a política tradicional, depois de repetidos escândalos, a corrupção e a falta de soluções para problemas práticos relacionados com os cuidados de saúde e educação, por exemplo, impor um “mal, para ser democrática,”. Essa decepção, dizem os especialistas, o que aumentou o desejo de uma ruptura “com todos os que nela estavam,” e o apelo dos discursos de fundamentalismo, às vezes, violento.Publicidade

“palavras de inspiração nazista, ganhando a transmissão durante momentos de grande ressentimento social e polarização política,”, avalia Carlos Reiss, o coordenador geral do Museu do Holocausto em todo o mundo. “Existe uma condição para ser um político, ansioso para uma pausa, para criar uma nova história”, comentários de James Smith, um doutor em História pela Universidade de São Paulo (USP).

Os níveis de pobreza e desigualdade

Os desafios econômicos e sociais do país, com altos índices de pobreza e o avanço da pobreza, o estresse, o desconforto da população em frente à democracia”. isso Normalmente é ideal que você faça uma referência para os nazistas, não prosperar em sociedades onde há uma maior igualdade social e o bem-estar”, diz ele Loff, Universidade do Porto. “Quando a grande maioria da população vai se sentir à vontade, do ponto de vista do material, o simbólico e o social, há muito menos espaço”, acrescentou.

A força das redes sociais

Com o surgimento das redes sociais tem contribuído para a articulação e a visibilidade das forças de inspiração para os nazistas, dizem os pesquisadores. “mídias sociais e a Internet, tem provocado uma luxação no mercado, na minha opinião. O povo à margem do debate público, incluindo a inspiração nazista, passou a ter mais de uma voz”, disse James Soares, universidade de são paulo.Publicidade

O componente é autoritário

Um estudante do pai, um historiador, Priscila Ferreira Perazzo acredita que o povo brasileiro tem a responsabilidade de expandir o espaço dado a discursos, a inspiração, o nazista. “Há um componente que é autoritário dentro da população, e que o desejo de mudança de uma forma eficaz e rápida o recurso para o autoritarismo, e que, às vezes, flerta com o fascismo”, disse ele. De acordo com ela, autoritário e totalitário vêm em ondas, e ele vai se desgastar, e voltar a ganhar o recurso. “a principal diferença é que o totalitarismo procura controlar o comportamento das pessoas por meio de propaganda, a cultura e a educação”, diz o professor da Universidade municipal de São Caetano do Sul. Ele HitlerBrasilDireitaNazismo

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/raviera/public_html/wp-includes/functions.php on line 4757

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/raviera/public_html/wp-includes/functions.php on line 4757